A CRÔNICA ESPORTIVA E O FUTEBOL – leia o novo artigo de Demétrius Faustino

Foram os cronistas esportivos as peças fundamentais para a popularização do esporte no Brasil, notadamente o futebol, pois está repleto de repetições na boca de todos, de que esta modalidade esportiva faz parte da identidade brasileira. E é certo também, que nomes consagrados como Mário Filho, Nelson Rodrigues e João Saldanha, reverenciados por suas crônicas sobre esse nobre esporte nascido na Inglaterra, são as principais referências sobre o assunto. Sem esquecer que na Paraíba tivemos Ivan Bezerra como o nome mais consagrado.

E o pontapé inicial disto ocorreu na década de 1930, período em que o esporte se torna profissional no país, graças à divulgação da crônica esportiva de forma decisiva, quando das transmissões dos jogos pelo rádio e do aumento de espaço nos periódicos impressos, que à época ocuparia várias colunas das suas capas, tornando visível inclusive, um atleta em ação, da cabeça aos pés.

E na década de 1950, finalmente a controvérsia sobre se o futebol seria ou não parte da identidade brasileira foi pacificada, onde a crônica esportiva a partir dai, passou a ganhar prestígio, mormente através da simplicidade dos artigos escritos por Mário Filho e Nelson Rodrigues, pois antes destes, a maioria desses profissionais escreviam com excesso de requinte.

A crônica esportiva brasileira baseava-se muito na emoção, mas com a chegada da Televisão na década de 1950, ocorre uma cisão em relação ao gênero, onde de um lado, os chamados racionalistas preferiam escrever sobre a parte tática da modalidade, e de outra banda, os chamados apaixonados, estavam mais preocupados com os aspectos sociais ligados ao esporte do que com o jogo propriamente dito.

Atualmente, percebemos uma visível falta de inventividade, pois a maioria dos cronistas não inovam. Ao contrário, continuam a citar as criações dos pioneiros, a exemplo das expressões inseridas no imaginário brasileiro “pátria em chuteiras”, “complexo de vira-lata”, “se macumba ganhasse jogo Campeonato Baiano terminava empatado” “se concentração ganhasse jogo time da penitenciária não perdia um”, etc, em vez de criar as suas.

Mas também pudera, uma coisa é falar ou escrever sobre Pelé, Garrincha, Didi, Bellini, Nilton Santos, Zico, Falcão, Sócrates, e tantos outros, e outra é falar ou escrever sobre os contemporâneos que atuam pelos nossos clubes enquanto não se mandam até para as Filipinas.

Nesses novos tempos a mídia impressa perdeu espaço para as transmissões abarrotadas de pormenores que os meios audiovisuais podem ofertar ao espectador, a exemplo do enaltecimento das estatísticas para explicar desenlaces ocorridos nas partidas.

Enfim, não vislumbramos renovação no estilo e nem percebemos um empenho em aconchegar a crônica da literatura. Mas apesar dessa ausência, o jornalismo esportivo continua sendo uma honrosa missão repleta de responsabilidade social.

João Pessoa, 26 de Setembro de 2019.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.