Nesta segunda: ato no Parque da Lagoa marca fortalecimento da rede de proteção e apoio para mulheres

A Praça das Mulheres completa dois anos de sua inauguração em novembro e para marcar a data será realizado um ato simbólico no local, que fica no Parque da Lagoa, nesta segunda-feira (4), a partir das 15h, com participação de toda a rede de proteção às mulheres oferecida pela Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), através da Secretaria Extraordinária de Políticas Públicas Para as Mulheres (SEPPM).

Segundo a secretária da SEPPM, Adriana Urquiza, é importante que as mulheres estejam conscientes de seus direitos e de como acessá-los em caso de necessidade. “Nosso papel enquanto Secretaria é estimular e provocar diferentes áreas a pensarem no impacto de suas políticas sobre a vida das mulheres, além de contribuir com a construção destas políticas públicas, um compromisso da atual gestão municipal, contribuindo para a construção da geração de igualdade e proteção às mulheres”, completou.

O secretário de Desenvolvimento Social (Sedes), Diego Tavares, reforça que as mulheres que passam por este tipo de problema não devem se sentir sozinhas. “A Prefeitura de João Pessoa possui muitos equipamentos que dão todo suporte nesta luta. Temos os Centros de Referência Especializados de Assistência Social (Creas), que é um serviço de proteção social oferecidos pela Sedes voltados às famílias que vivenciam processos graves de violência doméstica. Por meio de uma rede de atendimento socioassistencial, orientamos acerca dos direitos jurídicos e de cidadania, por entendermos que quando uma mulher é vitimada pelo próprio companheiro, toda a família sofre e necessita de ajuda”, disse.

A Praça busca chamar atenção para a violência contra as mulheres e sensibilizar a população para o alto índice de homicídios na Paraíba e no Brasil, recebendo uma placa simbólica com seis nomes de mulheres (cinco assassinadas e uma sobrevivente), vítimas do feminicídio em João Pessoa.

Serviços – A PMJP tem uma série de serviços que podem ser acessados pela população visando à proteção das mulheres em situação de violência. Um deles é o Centro de Referência da Mulher, que fica na Rua Afonso Campos, 111, Centro. Para ser usuária a mulher pode ir ao local por demanda espontânea ou ainda ser encaminhada pela Delegacia da Mulher, Centros de Referência em Assistência Social (Cras) ou Organizações Não-Governamentais e movimentos feministas. Os serviços disponibilizados no local são gratuitos e o contato direto com as equipes pode ser feito pelo telefone 0800-283-3883.

Outro serviço oferecido de maneira pioneira pela PMJP é a Ronda Maria da Penha. Por meio desse programa, as mulheres que estão sob medida protetiva de urgência podem ser acompanhadas semanalmente por equipes da Guarda Civil Municipal. O serviço é realizado conforme a aceitação das vítimas.

O Disque 156 recebe denúncias, via telefone, de violação de direitos contra crianças, adolescentes, mulheres e idosos na Capital. O Disque 156, o primeiro criado no Brasil, recebe as denúncias das vítimas ou de pessoas que presenciarem qualquer ato de violação de direitos para que a PMJP dê os encaminhamentos necessários.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.