Município de Bayeux é condenado a iniciar, em 30 dias, licitação de linhas de ônibus

O Departamento Estadual de Estradas de Rodagem (DER) publicou, no Diário Oficial do Estado da Paraíba do último sábado (25), edital para repetir a licitação para permissão onerosa da exploração do transporte coletivo intermunicipal de passageiros operada por ônibus, entre Bayeux e João Pessoa, por um período de dez anos. Isso porque a licitação marcada para o dia 24 de novembro do ano passado foi declarada deserta. A nova licitação está marcada para 11 de maio deste ano, às 10h, na sala da Comissão Permanente de Licitação do DER.

A realização da licitação foi determinada pela 4a Vara Mista de Bayeux, em 2016, em resposta à ação civil pública de obrigação de fazer ajuizada pela 5a Promotoria de Justiça. A ação teve o pedido de tutela antecipada deferido em parte, com a condenação do DER, do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB), do Município de Bayeux, da empresa “Das Graças” e da sucessora das empresas “Antônio Wilson” e “Almeida” a adotarem uma série de medidas para regularizar o serviço de transporte coletivo municipal e intermunicipal na cidade.

De acordo com a sentença prolatada em outubro de 2016 pelo juiz Francisco Antunes Batista, o DER deveria analisar os contratos de permissão de transporte coletivo rodoviário intermunicipal envolvendo o município de Bayeux e rescindir, se fosse o caso, os contratos que não estavam sendo cumpridos, realizando nova licitação, prevendo no edital a exigência de frota de veículos com menos de cinco anos de uso e com a acessibilidade nos percentuais previstos em lei.

O Departamento também foi condenado a fiscalizar, no prazo de 30 dias, todos os ônibus da empresa “Das Graças” e da sucessora das empresas “Antônio Wilson” e “Almeida Ltda”, retirando de circulação os veículos quebrados e danificados, aplicando as sanções administrativas previstas.

Foi determinado ainda que as fiscalizações ocorressem periodicamente, no intervalo de seis meses e que fosse feito um estudo sobre a necessidade de novas linhas de ônibus na cidade. Em caso de descumprimento, o superintendente do DER seria multado em R$ 10 mil por cada fiscalização não realizada, além de outras medidas judiciais cabíveis.

Já o Detran foi condenado a realizar, também no prazo de 30 dias, fiscalização em todos os veículos das três empresas para verificar se havia ônibus com licenciamento vencido, apreendendo o veículo que estivesse rodando nessas condições, sob pena de multa ao superintendente do órgão no valor de R$ 10 mil por cada fiscalização não realizada, além de outras medidas judiciais cabíveis.

O Município de Bayeux foi condenado a iniciar, no prazo de 30 dias, o processo licitatório de permissão de transportes públicos das três linhas internas, sob pena de multa mensal pessoal do gestor no valor de R$ 10 mil, além de outras medidas legais cabíveis.

As três empresas, por sua vez, foram condenadas a manter os veículos com licenciamento atualizado e a substituir imediatamente o veículo que não estivesse com a documentação em dia por outro que estivesse, sob pena de multa e demais medidas legais cabíveis.

Entenda o caso

Desde 2013, a Promotoria de Justiça de Bayeux tem adotado uma série de medidas – inclusive com o ajuizamento de ação civil pública – em relação à precariedade existente no serviço de transporte coletivo, cobrando a realização de licitação para permissão do transporte municipal e intermunicipal.

A última recomendação ministerial expedida em outubro de 2016 também teve como objetivo evitar a paralisação do serviço por parte dos motoristas que trabalham na empresa “Metro” (responsável pela linha Bayeux-João Pessoa). O assunto foi tratado em audiência promovida pela promotoria, com representantes da categoria.

Na ocasião, o Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros e Cargas do Estado informou que o serviço prestado pela empresa era o pior da Paraíba por colocar em risco a segurança e a vida dos profissionais e passageiros, visto que a frota era formada por veículos com mais de 20 anos de uso, que não passavam por manutenção e vistorias e que inclusive estavam sem emplacamento.

Na sentença prolatada no final de 2016, o juiz Francisco Batista registrou a comprovação nos autos da omissão dos órgãos estaduais (Detran e DER) em relação à fiscalização necessária para coibir os ônibus que exploravam as linhas do município a trafegar em péssimo estado de conservação e com licenciamento vencido, assim como a ausência de licitação por parte do Município para a exploração do serviço coletivo de ônibus na cidade.

Ficou comprovado que, em âmbito estadual, havia um contrato de permissão para a exploração do serviço de transporte coletivo no Município de Bayeux firmado entre o DER e as três empresas com duração de 12 anos, que foi encerrado em 2014.

Já no âmbito municipal, havia concessão pública para a exploração da linha Mario Andreazza-Baralho com a empresa TPU, operando apenas com dois ônibus. O contrato foi firmado em 1992 por cinco anos, com prorrogação por igual período.

Ascom MPPB

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.