DOSES HOMEOPÁTICAS DE ARTE PARA CURAR QUALQUER MAL – Por Marcos Thomaz

Meus queridos, nem tudo é coronavírus, quarentena, tédio, bolsonarismo e todo esse tipo de
mazela que nos aflige!
Venho fazer uma pausa no desgastante ofício cotidiano de me indignar com o que vem do
cima para enaltecer algumas lindezas de ações que vem sendo executadas e ganhando espaço
nestes tempos de isolamento social: os webfestivais.

A onda começou a tomar forma e se espraiar com o anúncio do Festival “Eu Fico em Casa –
Portugal). Na esteira começaram a surgir ao redor do mundo várias iniciativas e projetos nesta
linha.

E para falar da terra que habito neste imenso latifúndio global, a boa Paraíba, aqui o
pioneiro foi o #EuficoemcasaPB, que está em plena execução desde o dia 21 de março até o
próximo sábado, 28, sempre a partir das 18h.

Na agenda do webfestival mais de 50 artistas locais entre músicos, atores, escritores etc. Um
enorme mosaico desta rica e fértil produção paraibana em todos os setores artísticos.
Vi o máximo que pude até agora e tem sido um deleite. Da reverência a Escurinho, Paulo Ró ao
encantamento dos “novos” Pedro Índio, Titah e tantas outras jóias que vou parar de citar para
não ser injusto.

Um oásis sonoro nestes tenebrosos tempos de isolamento, nada de contato e menos ainda de
afeto físico entre os diversos.
Sem abraços, afagos, fiquemos com o acalento da alma através da arte. Essa sempre nos salva,
traz redenção em todos os momentos!

Delírios artísticos a parte, retomando…
ponto total a coragem, arrojo e velocidade com que as idealizadoras Dina Faria, Cíntia
Peromnia e Dione Lima viabilizaram o projeto. Um lineup cirúrgico, preciso, uma radiografia
sobre a produção local. E as meninas já anunciaram, em primeira mão, que vem mais por aí…
A segunda edição já está sendo gestada e logo terá programação completa divulgada!
A apresentação é das queridas e talentosas Val Donato e Gi Ismael, em um incansável exercício
de conduzir o festival, além de fechar e abrir abas!!

Em tempo, o único ponto a lamentar é a baixa qualidade de sinal em vários momentos, o que é
mais que justificável, afinal em um evento assim, às pressas, como homogeneizar sinal, que
depende da internet direta da própria residência de mais de 50 artistas? Ninguém está em
casa porque quer, menos ainda poderia se prever o tal Coronavírus para se precaver de tais
questões.

Mas tudo é tão good vibrations, que mesmo em meio ao tópico criticado há de se enaltecer as
soluções encontradas: com menção mais que honrosa aos Gonzagas, que em meio as
dificuldades técnicas de sinal conseguiram com muita espirituosidade e entrosamento
conduzir uma apresentação dividida em 3 telas de ambientes diferentes. Fenomenal!

Pois bem, apresentada a minha parte como telespectador da farra virtual, vamos à perspectiva
dos artistas…

Além do caráter de conscientização social da importância de ficar em casa, esta e outras
manifestações desta natureza adquirem uma importância fundamental na produção artística
por estarmos falando de uma das atividades mais prejudicadas com o isolamento.
Afinal apresentações dependem de aglomerações de pessoas e é destes eventos que saem o
sustento, ganha pão dos artistas.

Retribuindo o exercício de consciência cabe a nós contribuir com a vaquinha virtual, que
pode ser conferida em link durante as lives no youtube ou permanentemente no instagram.
Vamos lá galera, ainda tem esta quinta, amanhã e sábado para desfrutar de uma boa
companhia virtual e colaborar com o webfestival #EuFicoEmCasaPB .

A causa é tão nobre e a coisa tão boa que até o governo do Estado da Paraíba “entrou na
roda”. Na próxima terça-feira será lançado o edital “Meu Espaço”. A proposta é contemplar 70
artistas paraibanos com a contrapartida de apresentações virtuais, durante este período de
Coronavírus.
Resistamos com arte, sempre!!

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.