Sem fugir do debate político, Tovar tacha Coutinho de corrupto e diz que o ex gestor liderava o estado com chicote

A crise no PSB da Paraíba é um dos principais assuntos comentados pela mídia nos últimos dias, principalmente, devido a comentários de figuras importantes da política paraibana. Os desentendimentos na legenda, foram desencadeados, principalmente, após a executiva nacional do partido remover Edvaldo Rosas (PSB) da presidência estadual e eleger uma nova comissão provisória com o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB) como líder na Paraíba.

Em entrevista à Rádio Correio FM, o deputado estadual Tovar Correia Lima (PSDB) comentou os desentendimentos no PSB e teceu críticas ao ex-governador Ricardo Coutinho. De acordo com Tovar, o ex-governador liderava a Paraíba com um chicote, mandando e desmandando e esperando que a Assembleia Legislativa concordasse com tudo.

“Ricardo faz a velha política e diz que faz a nova, Ricardo é corrupto e diz que os outros que são”, disse o deputado, que, afirmou ainda, que estamos em outros tempos, onde esse tipo de autoritarismo não existe mais.

Ainda de acordo com ele, na Assembleia, de fato, há uma mudança de comportamentos e uma animação não só referente à “Calvário”, mas também pelas discordâncias entre João Azevêdo e Ricardo Coutinho, resultando na divisão da bancada do governo, que, segundo ele, desde o início do ano passa por discordâncias.

O parlamentar enfatizou ainda que a oposição, mesmo tendo apenas 11 representantes, é unida e faz o seu papel, usando, por muitas vezes, de amizades ou até mesmo de comportamentos diversos dentro da Assembleia, para ganhar em alguns temas.

“Ontem, por exemplo, o ex-governador fez questão de, em uma entrevista que deu a uma rádio no Cariri paraibano, dizer que nós estamos derrubando alguns vetos. É justamente a oposição e alguns deputados do governo que entendem como nós, que aquele veto deveria ser derrubado”, explicou.

O deputado comentou também sobre as investigações da Operação Calvário, afirmando que não é uma criação dele e que o próprio Ministério Público e o Gaeco investigam o governo de Ricardo Coutinho.

“Ou melhor, uma ex-secretária, que era estritamente ligada ao governador, em uma delação, afirmou que no governo existiam vários atos de corrupção com o irmão do ex-governador e o próprio ex-governador. É ela que está dizendo, está na delação”, completou.

Por fim, Tovar disse ainda que é muito justo e não utiliza de subterfúgio para defesa ou acusação em veículos midiáticos e que até agora, nas denúncias e delações, o nome do governador João Azevêdo (PSB) não foi citado.

“Então, eu quero crer que João Azevêdo participava do governo mas não participava dessas ações. Eu quero crer nisso, mas se por um acaso ele for envolvido nas denúncias, em qualquer uma delas, eu disse isso na Assembleia essa semana, inclusive à deputada Cida, todas as denúncias sejam em Campina Grande, sejam em João Pessoa, ou em qualquer outra cidade, precisam ser apuradas. Se os envolvidos tiverem culpa ou devem alguma coisa à Justiça, eles precisam ser condenados e precisam pagar”, finalizou. Paraíba Online

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.