Bolsonaro dá posse nesta segunda a presidentes de bancos públicos

O presidente da República, Jair Bolsonaro, dará posse nesta segunda-feira (7) aos presidentes dos maiores bancos públicos do país: Caixa Econômica, Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Bolsonaro quer que eles ajudem a reforçar os cofres do governo, vendendo empresas controladas pelos bancos.

O futuro presidente da Caixa, Pedro Guimarães, disse que pretende vender na Bolsa de Valores ações de pelo menos duas subsidiárias, como a Caixa Seguridade, ainda neste ano.

“A Caixa vai focar nos clientes de menor renda, na parte imobiliária que é exatamente sua grande vantagem comparativa”, afirmou.

No Banco do Brasil, quem assumirá o comando da instituição será o economista Rubem Novaes.

A presidência do BNDES ficará com Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff e atualmente ocupando cargo de diretor do Banco Mundial, em Washington.

Reunião ministerial

Na terça-feira (8), Bolsonaro vai fazer a segunda reunião ministerial. A expectativa é de que os ministros devem apresentar o resultado de uma avaliação sobre normas burocráticas que podem ser revogadas para dar mais eficiência ao governo.

A grande expectativa é em relação ao anúncio de medidas para a Previdência. A equipe econômica vai apresentar a proposta final de reforma ao presidente Bolsonaro ainda nesta semana.

Analistas dizem que, depois dos desmentidos da última sexta-feira (4), o governo não pode demorar muito para apresentar medidas concretas para a economia, principalmente em relação à reforma da Previdência, que é a questão mais importante para começar a colocar em dia as contas públicas do país.

Na avaliação do economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor do Banco Central, o governo precisa definir o que pretende para a área.

“Pode ser o do [Michel] Temer. Pode ser outro projeto. Pode ser uma coisa completamente diferente, mas precisa ter uma coisa que é colocada para sociedade, para sociedade entender”, disse.

O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega avalia que o ministro da Economia, Paulo Guedes, já mostrou que sabe quais são os desafios do país e que o governo deve aproveitar essa fase de “lua de mel”, quando tem forte apoio popular, para aprovar as mudanças nas regras da aposentadoria e frear o crescimento da dívida pública, que já representa quase 80% de tudo o que o país produz.

“Pode ser até que a reforma da Previdência passe sem essa coalizão partidária. Porque, tradicionalmente, o presidente do Brasil tem um período de lua de mel. Nesse período de lua de mel, o Congresso tende a ser mais receptivo a medidas ousadas e o presidente pode usar a legitimidade que ele obteve nas urnas, o apoio popular, a sua popularidade, a expectativa da sociedade com seu governo, para obter aprovação da reforma da Previdência”, afirmou.

G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.