25.1 C
João Pessoa
Início Destaque Sefaz desmente mais uma vez informações sobre aumento do preço de gás...

Sefaz desmente mais uma vez informações sobre aumento do preço de gás de cozinha

 

O Governo da Paraíba, por meio da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz-PB), rebateu as acusações infundadas e sem qualquer lastro de verdade do Sindicato dos Revendedores de Gás da Paraíba (Sirigas) de que o novo reajuste do gás de cozinha (GLP) para o consumidor seja de responsabilidade do Estado da Paraíba.

A alíquota do ICMS do gás de cozinha de 18% continua inalterada desde janeiro de 2016. Ou seja, há quase seis anos a alíquota do GLP no Estado da Paraíba não tem aumento para o consumidor da Paraíba.  “Por diversas vezes, o governador João Azevêdo já veio a público para declarar que não haverá aumento de alíquota de imposto sobre os combustíveis tampouco no gás de cozinha em sua gestão”, afirmou o secretário da SEFAZ, Marialvo Laureano.

“Na verdade, o Sindicato dos Revendedores de Gás da Paraíba está transferindo responsabilidade para quem não tem qualquer culpa por esses aumentos abusivos e desordenados nos preços dos combustíveis do País, inclusive no gás de cozinha. Desafiamos o Sindicato dos Revendedores de Gás da Paraíba a provar que alteramos a alíquota do gás de cozinha nos últimos cinco anos e dez meses no Estado da Paraíba. Como é de conhecimento público por toda a sociedade, a Petrobras é a única responsável pelos aumentos no gás e nos combustíveis em nosso País. A decisão de aumentos é exclusiva da estatal que tem o monopólio de preços dos combustíveis e do gás de cozinha. Na última semana, dia 7 de outubro, por exemplo, a Petrobrás anunciou mais um aumento na gasolina e também no gás de cozinha de 7,2%, o que deve ter elevado novamente o preço do produto para as distribuidoras e os revendedores de gás no Estado. Portanto, o ICMS não pode ser considerado o ‘vilão do aumento dos preços dos combustíveis e tampouco o de gás de cozinha”, revelou o secretário da SEFAZ, Marialvo Laureano, que completou:

“Queremos restabelecer a verdade. A Sefaz-PB faz apenas uma pesquisa de preços de gás cozinha a cada 15 dias, para saber os preços praticados por revendedoras aos consumidores finais com base nas notas fiscais, para calcular o Preço Médio Ponderado ao Consumidor final (PMPF) e aplicar a alíquota de 18% do gás de cozinha. Essa forma de calcular o valor do tributo já dura décadas e é a mesma nas 26 unidades de federação e no DF”,  informou o secretário.

Segundo Marialvo Laureano, sem uma mudança na política de preços da estatal, que é atrelada 100% ao dólar, “os aumentos do gás de cozinha e dos combustíveis vão continuar no centro das atenções produzindo não apenas prejuízos à população mais pobre do nosso Estado e do País, mas também mais inflação, corroendo a renda do paraibano”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Ministro da Educação participa do lançamento do curso de Direito da Faculdade Cidade Viva em JP

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, vai participar do lançamento do curso de Direito da Faculdade Internacional Cidade Viva (FICV), nesta quinta-feira (2), no...

Ana Cláudia lamenta descaso com a educação e merenda nas escolas em Campina Grande

A Secretária de Estado do Desenvolvimento e Articulação Municipal (SEDAM), Ana Cláudia Vital, veio a público nesta quinta-feira (02) lamentar mais um prejuízo para...

Em João Pessoa, Cendor auxilia no tratamento da dor crônica e atendimentos de especialidades

O Centro de Tratamento da Dor (Cendor), localizado no Complexo Hospitalar de Mangabeira Governador Tarcísio de Miranda Burity (Ortotrauma), é um centro de referência...

Cícero Lucena inaugura nova sede do Sine-JP no Varadouro

As pessoas que estão em busca de uma vaga no mercado de trabalho a partir de agora têm uma nova e moderna instalação do...