28 C
João Pessoa
12/04/2021
Início Direito em Pauta O AUXÍLIO EMERGENCIAL E O SEU IMPACTO NA ECONOMIA - No texto...

O AUXÍLIO EMERGENCIAL E O SEU IMPACTO NA ECONOMIA – No texto de Raissa Helena

O auxílio emergencial está de volta, mas não segue a regra popular de que a segunda vez é melhor que a primeira. Isto porque o valor disponibilizado é inferior a R$ 600,00 (seiscentos reais), que foi pago durante cinco meses e, em seguida, uma extensão do auxílio emergencial, com acréscimo de 3 parcelas no valor de R$ 300,00 (trezentos reais).

Os reflexos da pandemia do COVID-19 na economia do país foram intensos, uma vez que antes do cenário de surto, as questões relativas à economia já enfrentavam uma recessão. Com o intuito de conter a proliferação do vírus e proteger a saúde pública, os gestores dos respectivos entes federativos, no âmbito de sua competência, editaram decretos que levaram a restrição de alguns serviços, permitindo o funcionamento daqueles essenciais, atingindo de forma direta a economia.

Em 15 de março de 2021, foi promulgada a PEC/109 (Projeto de Emenda Constitucional), estabelecendo medidas emergenciais e permanentes, no que tange ao orçamento fiscal e da seguridade social da União.

A referida emenda tornou possível o pagamento do novo auxílio emergencial, com parcelas que variam entre R$ 150,00 (cento e cinquenta reais) a R$ 375,00 (trezentos e setenta e cinco reais), devendo ser observada a estrutura familiar de cada beneficiário.

O auxílio emergencial não beneficia apenas aqueles que recebem, assim como a economia do país também, permitindo o aumento do PIB (Produto Interno Bruto). Conforme dados do Ministério da Cidadania o auxílio emergencial trouxe o impacto no PIB brasileiro de 2,5%, tendo um impacto maior na região Nordeste representando cerca de  6,5% do PIB.

A UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) realizou um estudo que comprova a importância do auxílio emergencial. O economista e professor responsável pelo estudo feito pela UFPE, Ecio, asseverou que o pagamento do benefício pelo Governo Federal, contribui na rotatividade da economia, pois as pessoas passam a gastar com alimentos, pagar débitos, bem como adquirir outros produtos, tais como, eletrodomésticos, roupas, etc.

Destarte, é perceptível que o benefício é uma via de mão dupla, sendo possível o encaixe aqui do ditado popular: “uma mão lava a outra”.

 

Raissa Helena Lima de França – Pós-graduanda em Direito Público, Advogada e Colunista do pauta-PB.

Fábio Augusto
Fábio Augustohttps://pautapb.com.br
Formado pela Universidade Federal da Paraíba em Comunicação Social, atua desde 2007 no jornalismo político. Passou pelas TVs Arapuan, Correio e Miramar, Rede Paraíba de Comunicação (101 FM), pelas Rádios 101 FM, Miramar FM, Sucesso FM, Campina FM e Arapuan FM.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Mais Lidas

Prefeitura de João Pessoa avança na vacinação do grupo de comorbidades 57+ e inclui coveiros na imunização

A Prefeitura de João Pessoa avança na imunização da população contra a Covid-19, neste sábado (10), em 27 postos de vacinação espalhados por toda...

PMJP destaca agendamento on-line para garantir vacinação e aumento da procura pela segunda dose da Covid-19

A Prefeitura de João Pessoa emitiu nota no final da tarde deste sábado (10) informando que o agendamento on-line é o melhor mecanismo para...

Publicado decreto que regulamenta Programa de Habilitação Social e inclui motoboys, na Paraíba

O governo do estado publicou neste sábado (10) no Diário Oficial, o decreto que regulamenta o Programa de Habilitação Social e inclui motociclistas que...

Nesta segunda, PMJP inicia campanha de vacinação contra influenza e atualização do cartão das crianças

A Prefeitura de João Pessoa (PMJP) inicia, na próxima segunda-feira (12), a Campanha Nacional de Vacinação Contra a Influenza. Em João Pessoa, o público...