TCE dá 90 dias para Prefeitura de Bayeux fazer nova licitação de coleta do lixo e multa ex-gestor

A 1ª Câmara do Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB) determinou, nesta quinta-feira (26), em referendo de medida cautelar, que a Prefeitura de Bayeux realize, no prazo de 90 dias, nova licitação para os serviços de coleta e destinação do lixo da cidade. Até a conclusão do novo procedimento, fica mantido o contrato nº 75/2019, que ora assegura a prestação do serviço.

A determinação, em forma de citação, será encaminhada a prefeita do município, Luciene Gomes. E deu-se após o julgamento pela irregularidade do Pregão Presencial nº 020/19 e da Tomada de Preços 24/2019, nos autos processo nº 15969/19 – de verificação de cumprimento de decisões anteriores da Corte, pelo ex-gestor do município, Gutemberg de Lima Davi.

Relator do processo e autor de três decisões cautelares durante a tramitação processual da matéria, o conselheiro Fernando Catão propôs, e o colegiado acatou, aplicação de multa máxima (R$ 12,3 mil) ao ex-prefeito Gutemberg de Lima Davi e ao então pregoeiro Emanoel da Silva Alves. Ao invés de cumprir determinações da Corte relativas ao Pregão Presencial nº 020/19, o então gestor lançou a Tomada de Preços 24/2019, com o mesmo objeto e contratando a mesma empresa, observou o relator.

O conselheiro citou na sessão relatórios técnicos do órgão auditor e parecer do Ministério Público de Contas, ambos apontando irregularidades nos dois procedimentos licitatórios reprovados. Entre as quais a “falta de qualificação técnica da empresa vencedora – MAC Construções e Serviços Ltda. ME – para contratar com a administração pública”.

A Auditoria e o MPC apontam, nos autos, a existência de “evidente fraude” em documentação apresentada pela empresa, com omissão de receitas em seu balanço, o que tornaria inválida a declaração de EPP – Empresa de Pequeno Porte.

O relator informou na sessão que a empresa recebeu do município R$ 7,7 milhões, nos exercícios 2019 e 2020 (dados atualizados até 19/11/2020).

A Câmara decidiu também, no mesmo julgamento, pelo envio de cópias da sua decisão às representações do Ministério Público Federal na Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, além da Receita Federal, para eventuais providências relativas à atuação comercial da empresa no setor público.

Cautelar em contrato da Educação – Do mesmo relator, o colegiado referendou igualmente medida cautelar (DS1 TC 102/2020) determinando ao secretário Cláudio Benedito Silva Furtado, titular da Secretaria de Estado da Educação e da Ciência e Tecnologia, que se abstenha de dar continuidade a pagamentos vinculados à Dispensa de Licitação nº 09/2018, e contrato decorrente nº 079/2018,analisados nos autos do processo 19024/19.

O procedimento, lançado na gestão do então secretário Aléssio Trindade de Barros, destinou recursos de R$ 8,2 milhões para curso de formação de educadores e coordenadores do programa PROJOVEM CAMPO. A decisão no referendo determina também que seja apresentada a prestação de contas de valores contratualmente já pagos.

Pregões irregular e regular – Exame do processo 10401/20 resultou no julgamento pela irregularidade do Pregão Eletrônico 011/2020, da Secretaria de Estado da Administração, destinando R$ 54,2 milhões à aquisição de medicamentos, em razão de demandas judiciais. Prazo de 30 dias foi concedido à gestora da pasta, Jacqueline Fernandes de Gusmão, para apresentação de esclarecimentos acerca de quantidades e valores de alguns itens apontados com sobre preço pela Auditoria da Corte. 

Da mesma secretaria foi julgado regular com ressalvas o Pregão Presencial para registro de preços, sob nº 00379/2019, seguido dos contratos decorrentes (processo 08309/20). Os recursos são de R$ 12,3 milhões e se destinam à compra de material de ensino (conjunto professor/aluno), de responsabilidade de Secretaria de Estado da Educação da Ciência e da Tecnologia.

A sessão 2.852 serviu ainda ao julgamento de outros procedimentos licitatórios de prefeituras para compra de combustíveis e alimentos; além de prestações de contas, atos de pessoal relativos a concursos públicos e a pedidos de aposentadorias e pensões de servidores públicos e/ou dependentes.

Presidida pelo conselheiro Antônio Gomes Vieira Filho, a sessão contou com as participações do conselheiro Fernando Rodrigues Catão, conselheiro em exercício Antônio Cláudio Silva Santos e do conselheiro substituto Renato Sérgio Santiago Melo. Além da procuradora Isabella Barbosa Marinho Falcão, atuando pelo Ministério Público de Contas.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.