Gestão de Romero em Campina coloca a cidade entre os municípios com mais casos de Covid-19 no Nordeste

Levantamento divulgado ontem (23) pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste, revelou, que a cidade de Campina Grande administrada pelo prefeito Romero Rodrigues (PSD) e seu vice-prefeito Enivaldo Ribeiro (PP) é hoje a segunda cidade que não é capital que registra os maiores números de casos confirmados na relação entre as 12 cidades do Nordeste mais atingidas pela covid-19 na região.

O município, que não atualiza os números de casos confirmados desde o último sábado, possui 5.557 casos, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES). Entre os números do Consórcio, a cidade aparece atrás de todas as capitais nordestinas e da cidade de Santa Inês, no Maranhão, que tem 9.699 casos.

De acordo com o levantamento, a cidade tem a terceira maior incidência de casos a cada 10 mil habitantes entre os municípios nordestinos. Com incidência de 135,63, Campina Grande fica atrás de Santa Inês-MA com incidência de 939,19 e Aracaju, capital de Sergipe, que tem a incidência de 174,67.

A Rainha da Borborema está à frente, inclusive, de João Pessoa, capital do Estado. A capital tem uma incidência de 129,37. Nos últimos 15 dias, enquanto João Pessoa passou a ensaiar um possível controle da propagação do vírus, Campina Grande assistiu seus números subirem. Foram 2.967 novos casos dentro da espacialidade de tempo.

Reabertura do comércio – O prefeito já anunciou o plano de reabertura do comércio da cidade, inclusive destacando que no próximo dia 29.06.2020 vai haver a abertura total do comércio. Também na semana passada o Ministério Público da Paraíba (MPPB) analisou as despesas públicas relacionadas ao combate à covid-19 que foram realizadas pelos dez maiores municípios paraibanos e constatou, em TODOS eles, irregularidades, com destaque para o sobrepreço nos produtos, insumos e serviços. Vinte e cinco relatórios de auditoria sintéticos foram elaborados e serão encaminhados aos promotores de Justiça que atuam na defesa do Patrimônio Público para que tomem conhecimento dos fatos e adotem, eventualmente, as medidas extrajudiciais e/ou judiciais necessárias. Entre as cidades está à gestão de Romero Rodrigues (PSD) e Enivaldo Ribeiro (PP), que já recebeu do governo federal dezenas de milhões de reais para o combate a pandemia. Veja a denúncia do MPPB na integra: http://www.mppb.mp.br/index.php/36-noticias/patrimonio-publico/22381-mppb-analisa-despesas-dos-dez-maiores-municipios-da-pb-com-o-combate-a-covid-19-e-constata-sobrepreco

DENÚNCIAS de Falta de EPI´s e de hospital de fachada – Em Campina, a gestão Romero vem sendo alertada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), pelo Sindicato dos Médicos de Campina Grande e Região e demais órgãos de fiscalização da saúde pública da cidade, da necessidade da prefeitura cuidar dos seus servidores disponibilizando equipamentos de Proteção Individual (EPI´s), equipamentos esses que não tem chegado a diversas categorias de servidores, como os garis e profissionais da saúde. Outra denúncia que vem sendo feita por meio das redes sociais, se refere aos profissionais da saúde do Hospital Municipal Pedro I, que denunciam que o hospital de campanha, entregue por Romero semana passada, afirmaram que a unidade hospitalar é só de ‘fachada’, pois até a entrega não tinha nenhum equipamento necessário para seu funcionamento.

Mês passado por meio de uma carta aberta, constando uma denúncia referente às condições de trabalho dos profissionais do Samu da cidade foi divulgada nas redes sociais. A principal queixa presente no texto estava relacionada a falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para a atuação com segurança desses profissionais.

UBSF´s fechados – Também nesta semana, profissionais da saúde municipal denunciaram que 21 Unidades de Saúde da Família (UBSF) por falta da distribuição por parte da prefeitura de Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s).

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.