Governo e órgãos ambientais definem ações de combate a manchas de óleo em praias

O governador João Azevêdo se reuniu, nesta terça-feira (22), no Palácio da Redenção, em João Pessoa, com instituições e órgãos ligados ao meio ambiente, além de representantes de prefeituras do Litoral da Paraíba, ocasião em que foi discutida a situação das manchas de óleo nas praias nordestinas e traçadas estratégias de ações, caso o Estado venha a ser afetado pelo problema.

A ampliação do grupo de trabalho, que ficará encarregado de encaminhar e definir ações técnicas e operacionais, a intensificação do monitoramento das áreas mais vulneráveis do Litoral paraibano, bem como o monitoramento aéreo, o estudo das correntes marinhas com o auxílio da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e a realização de campanhas de esclarecimento voltadas à sociedade civil foram algumas das ações encaminhadas na reunião. Na oportunidade, os gestores também discutiram questões relacionadas às barreiras de contenção e possível recolhimento e destinação de resíduos.

O governador João Azevêdo também anunciou que o Governo irá elaborar um documento destinado aos Ministérios do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Regional para manifestar a preocupação do Estado com o problema que afeta as praias do Nordeste e precisa de respostas efetivas de órgãos como a Defesa Civil Nacional.

Representantes das Secretarias de Estado da Infraestrutura e do Meio Ambiente e da Comunicação Institucional, Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Gabinete Militar, Capitania dos Portos, 1º Grupamento de Engenharia, Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e Petrobras, além das Prefeituras de  Pitimbu, Conde, João Pessoa, Cabedelo, Lucena, Mataraca, Baía da Traição e Rio Tinto participaram da reunião.

O chefe do Executivo estadual destacou que a Paraíba ainda não foi atingida por grandes manchas, mas atua em parceria com diversos órgãos para definir ações com o objetivo de evitar risco de grandes danos ambientais.  “Esse cenário preocupa todos os Estados do Nordeste, nós identificamos pequenos resíduos em algumas praias que já foram eliminados, entretanto, precisamos nos precaver e foi para isso que realizamos essa reunião para traçarmos um plano diante de uma possibilidade; nós estamos organizando ações, em conjunto com a Capitania dos Portos, o Ibama e outras instituições, pois queremos estar prontos para dar respostas e nos precaver de todas as formas possíveis, em caso de sermos atingidos por esse problema”, explicou.

O superintendente da Sudema, Anníbal Peixoto, afirmou que o monitoramento diário realizado pelo órgão tem atestado a balneabilidade das praias do Litoral paraibano. Além disso, ele garantiu que o trabalho será intensificado a partir de agora. “A Sudema já vem fazendo esse monitoramento com a ajuda de outros órgãos envolvidos e das marinas e esse trabalho vai ser intensificado na parte dos estuários, dos corais e dos nossos arrecifes. Na Paraíba, a quantidade de material que foi jogado nas nossas praias foi muito pequena e hoje o que temos são apenas alguns materiais em forma de piche”, explicou.

O capitão de fragata da Capitania dos Portos da Paraíba, Rodrigo Godoy, apresentou o trabalho de acompanhamento da situação das praias da Paraíba, em conjunto com os órgãos ligados ao meio ambiente, e detalhou o quantitativo de pessoal e de equipamentos que estarão disponíveis, em caso de necessidade. Ele também disponibilizou os números 0800 2813071 e 99302-9294 (WhatsApp) para a população fazer denúncias de possível poluição ambiental.

“Essa reunião ofereceu a possibilidade de levantarmos todos os recursos e construirmos ações imediatas para que a gente possa enfrentar esse problema, evitando prejudicar os arrecifes e corais que existem no litoral paraibano. Esse é um caso inédito em virtude das características dessa poluição e todos os indícios estão sendo estudados para que essa questão seja elucidada”, disse.

O chefe do Estado Maior do Exército, coronel José Luis Santos, também assegurou a disponibilidade de tropas para auxiliar órgãos estaduais e municipais na Paraíba. “Estamos fazendo planejamento e, caso sejamos acionados, estamos prontos para ajudar. O efetivo que temos na Paraíba é suficiente para fazermos a limpeza, caso haja a necessidade, mas, se for necessário, pediremos reforços”, assegurou.

“O Ministério do Meio Ambiente instaurou um Plano Nacional de Contingência, através do Gabinete de Acompanhamento e Avaliação que está sediado em Salvador, para o acompanhamento e monitoramento de todos os incidentes na costa do Nordeste. Nós estamos atuando na vistoria dos locais e, assim que é detectada qualquer mancha de óleo, diversas ações são feitas para retirar o material, verificar se há fauna atingida e destinar o material”, falou o superintendente do Ibama na Paraíba, Arthur Navarro.

Já o comandante-geral do Corpo de Bombeiros da Paraíba, coronel Marcelo Araújo, também garantiu a disponibilidade de pessoal e de equipamentos para possíveis operações. “Essa foi uma reunião muito pertinente e importante para verificarmos o comportamento da nossa orla e a nossa instituição vai atuar de forma muito forte porque vamos disponibilizar embarcações, jet-skis e mergulhadores, se for o caso, para auxiliar toda a equipe que está mais forte, unida e solidária para monitorar e resolver uma situação tão preocupante”, acrescentou.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.