Após 29 dias preso, vereador campinense retoma mandato e se diz inocente das acusações na Operação Famintos

O vereador Renan Maracajá (PSDC) voltou às sessões da Câmara de Vereadores de Campina Grande na manhã desta terça-feira (8), após passar 29 dias preso na segunda fase da Operação Famintos. Na sessão, com a presença de outros vereadores e da presidente da Casa, Ivonete Ludgério (PSD), o vereador que foi denunciado pelo Ministério Público Federal (MPF) disse que vai tentar provar inocência.

“De tudo o que sou acusado, sou inocente. E irei provar minha inocência na Justiça, que é o foro adequado para discutir se os fatos apresentados pelo Ministério Público Federal são verdadeiros. Estou de cabeça erguida para responder a todos os fatos do processo”, disse.

Renan Maracajá é suspeito de envolvimento em um esquema de fraudes em licitações na merenda escolar de Campina Grande. Ele foi preso no dia 22 de agosto deste ano e recebeu Habeas Corpus no dia 19 de setembro.

O vereador estava com 30 dias de licença, sem remuneração, da Câmara de Vereadores de Campina Grande, mas o prazo terminou no último domingo (6). Na manhã desta terça-feira (8), o Legislativo municipal se reuniu pela primeira vez após esse período de afastamento do vereador.

De acordo com a presidente da Câmara, Ivonete Ludgério (PSD), Renan Maracajá poderia prolongar a licença, mas preferiu retornar às atividades. Clickpb

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.