O FUTEBOL BRASILEIRO, O FLAMENGO E JESUS – por Demétrius Faustino

Embora tardiamente, o nosso futebol avançou no quesito eliminação daquela fase de contratar/repatriar medalhões em fim de carreira e a peso de ouro, além de acabar com aqueles jogos que terminam depois da meia-noite.

Resta abandonar agora a ideia de fatiar entre empresários e investidores, promessas de craques advindos de categorias de base, porquanto vendidos cada vez mais jovens, e muitas vezes até antes de atuar pelos times principais. Sem esquecer das arquibancadas elitizadas por bilhetes excessivamente caros, calendários extravagantes, controle de direitos de transmissão das partidas, cartolas que administram a bola envolvidos em denúncias de corrupção, técnicos ultrapassados e sem inspiração.

Técnicos ultrapassados e sem inspiração? Nem tanto. No Flamengo, por exemplo, tem hoje um treinador, que embora não seja brasileiro, está fazendo a nação rubro negra sentir o cheirinho de campeão. Também pudera, além da capacidade, carrega no nome o que há de mais divino: Jesus. Sem deixar de lembrar, que se for necessário, enfrenta até dragão, afinal de contas o seu nome no mundo esportivo é simplesmente Jorge Jesus.

Não é à toa que a torcida que espera há várias edições a conquista de Campeão Brasileiro, vive o momento atual com mais convicção para alcançar esse objetivo. Com Jesus o time mais odiado do mundo reúne todas essas condições e requisitos. Basta conferir a tabela de classificação.

Em verdade e é fato, o Flamengo tem jogado nesse Brasileirão 2019, dentro daquele cenário traçado por Nelson Rodrigues. Ou seja, o time mais querido do Brasil tem estado em campo como um épico camoniano, numa luta heroica pela vitória com seus gladiadores uniformizados e cercados por sua torcida delirante. Não é à toa também, que é o “Campeão do 1º Turno” da competição, e semifinalista da Conmebol Libertadores.

Aliás, Nelson Rodrigues dizia que para um time ser campeão, não basta ter uma defesa intransponível, um meio de campo genial e um ataque assassino: é preciso também ter sorte, pois do contrário, é atropelado por uma carrocinha de chicabon. Ora, neste caso então, o Flamengo tem tudo isto, porquanto depois da tragédia ocorrida no Ninho do Urubu, e que preferimos chamar aquilo de “A morte dos Sonhos”, a sorte do Flamengo voltou e o nome dela se chama Jesus.

Mas parafraseando o outro português “jogar é preciso”, por isso que a luta e o choro têm que permanecer, ainda que seja intenso e silencioso, pois não vai ser fácil ser hepta.

Porém, esperamos que esse atual sonho se concretize, até porque as novas gerações ainda não tiveram a sorte e a alegria de ver o Flamengo Campeão Brasileiro, a exemplo dos meus filhos, que como o subscritor, só torcem por dois clubes na vida: Flamengo e Botafogo da Paraíba.

Era nascido e vi o Flamengo ser campeão de tudo. Foi aí quando passei a enxergar que a terra não é azul e sim vermelha e preta.

Como poeticamente escreveu Lamartine: “Eu teria um desgosto profundo se faltasse o Flamengo no mundo”.

Saudações a NAÇÃO RUBRO NEGRA (a torcida que tem preguiça de sofrer). Que venha mais uma rodada.

João Pessoa, Setembro de 2019.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.