Com déficit em mais de 70% do efetivo, deputado cobra convocação de concursados da Polícia Civil

O deputado estadual licenciado, Tovar Correia Lima (PSDB), cobrou nesta segunda-feira (30), a convocação de concursados da segurança pública diante da queda no número de policiais militares e civis, como demonstrado nos dados divulgados pelo Anuário do Fórum de Segurança Pública. A Paraíba tem apenas 26,2% do efetivo de policiais civis e 48,5% de militares que seria necessário para atender a população.

De acordo com o levantamento, pelo número populacional, a Paraíba que deveria ter 18.935 policiais militares, tem apenas 9.185, incluindo Corpo de Bombeiros. Os dados também mostram uma queda no número de policiais civis. Ainda com base no número de paraibanos, os quadros da Civil deveria ser composto por 8.530 profissionais, mas o Estado tem apenas 2.237 policiais.

“É por isso que vemos tanta criminalidade por todo o Estado. São assaltos e roubos frenquentes, além de assassinatos, explosões de bancos e correios. A Paraíba vive um clima de insegurança jamais visto. E esses dados apenas comprovam o que temos dito sempre: que é preciso convocar novos policiais e dar a eles condições de trabalho digno”, destacou Tovar.

O deputado destacou ainda a onda de violência em Campina Grande. De acordo com ele, o aumento dos índices de criminalidade está afetando o setor econômico da cidade. “As lojas estão fechando e as pessoas estão com medo de trabalhar. Chegamos a uma situação de caos na segurança pública. Os bandidos se armam e não temos policiais e nem armamento adequado para combater essa criminalidade”, disse.

Tovar lembrou que em apenas um mês, quatro lojas foram arrombadas em Campina e por conta disso, a Câmara dos Diretores Lojistas (CDL) emitiu uma nota exigindo uma resposta por parte do Governo do Estado. “O aumento do número de arrombamentos na região nos últimos meses tem gerado pânico aos empresários”, diz a nota.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.