Festival de Música da Paraíba está com inscrições abertas – leia o novo artigo de Marcos Thomaz

O maior espaço para revelação e exposição de compositores e cantores do estado já chegou a sua terceira edição.

As inscrições para o III Festival de Música da Paraíba estão abertas do dia 20 de fevereiro até o dia 19 de março e podem ser feitas exclusivamente na página oficial do evento: www.festivaldemusica.pb.gov.br.

É necessário baixar e preencher o formulário, contendo também as informações de conta bancária, comprovante de residência atualizado, gravação da música devidamente identificada com o nome do artista, letra da música, declaração de música autoral, anexada ao formulário.

Serão 30 canções selecionadas para as duas eliminatórias, sendo aceitas exclusivamente composições inéditas, sem gravação, ou registro de exibição anterior. No momento da inscrição, o participante deve declarar e se responsabilizar pelo ineditismo da obra, tanto em relação à letra, quanto à música.

 

Para participar, é preciso que o artista comprove que é residente na Paraíba e tenha idade acima de 14 anos. Em caso de menor de 18 anos, precisa de declaração de autorização dos pais ou responsáveis.

 

Além da grande visibilidade, estão sendo oferecidos 30 mil reais em premiação aos vencedores nas seguintes categorias: o primeiro colocado recebe R$ 10 mil, o segundo R$ 5 mil, o terceiro R$ 3 mil e o melhor intérprete deve receber R$ 2 mil.

O III Festival de Música da Paraíba acontecerá em 3 cidades. As eliminatórias ocorrerão em Itabaiana, 29 de maio (cidade natal do homenageado Sivuca) e Patos, 05 de junho. Enquanto a aguardada finalíssima será no Teatro de Arena do Espaço Cultural, em João Pessoa, no dia 20 de junho.

Outro destaque desta edição é a mudança no sistema de classificação dos candidatos. Para aumentar a impessoalidade e isenção na escolha dos selecionados, os curadores não terão acesso aos nomes dos compositores e cantores. A identificação será feita através de números codificados.

Sobre o Festival

O projeto, quase raro no cenário brasileiro atual, resgata os princípios dos grandes festivais, que movimentaram a cena musical brasileira em décadas de ouro da produção musical nacional, onde foram lançados grandes nomes da Música Popular Brasileira.

Como aqui na Paraíba, a fertilidade artística não para e não tem vez, nem hora, um evento deste porte se faz mais que pertinente e soma-se a vários outros projetos tocados pelo Estado, através da Rádio Tabajara (Palco Tabajara- programa de auditório com execução exclusiva de artistas autorais paraibanas, além de uma programação permanente com mais de 50% de exibição de músicas locais), FUNESC ( grandes eventos em homenagem a paraibanos ilustres, como Festival Jackson do Pandeiro etc).

Seguindo esta linha de valorização do artista local, da “cultura da terra”, agora, em 2020, o governo da Paraíba decretou o ano cultural Sivuca, em celebração aos 90 anos do nascimento do mestre multi-instrumentista. Como não poderia deixar de ser, é exatamente o mestre Sivuca o homenageado neste III Festival de Música da Paraíba.

O Festival de Música da Paraíba é uma organização do governo estadual, através de parceria entre a Secretaria de Comunicação Institucional, Empresa Paraibana de Comunicação e Fundação Espaço Cultural.

Homenageado – Nascido em 26 de maio de 1930, em Itabaiana, agreste paraibano, Severino Dias de Oliveira – Sivuca, foi um multi-instrumentista, maestro, arranjador, compositor, orquestrador e cantor brasileiro. Suas composições e trabalhos incluem, dentre outros ritmos, choros, frevos, forrós, jazz, baião, música clássica, blues, entre muitos outros. Fez sucesso pelo país com seus arranjos que disseminaram a cultura nordestina pelo mundo.

Ao lado de sua esposa e também cantora, Glória Gadelha, compôs um de seus maiores sucessos, “Feira de Mangaio”, eternizada na voz de Clara Nunes. Faleceu no dia 14 de dezembro de 2006, em João Pessoa, vítima de um câncer de laringe, o qual se tratava desde 2004. Deixou uma filha, Flavia de Oliveira Barreto.

Cosmopolita, com trabalhos exibidos em todo mundo e reconhecimento internacional, Sivuca nunca se “desgarrou” das origens e mantinha olhar atento a sua Paraíba, a qual atribuía toda a sua bagagem musical e enaltecia constantemente:

“Na Paraíba se faz música pelo prazer de fazê-lo.

Está aí. Não existe nada estático nessa terra”.

 

 

 

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.