Virou lei: estudantes de João Pessoa agora podem pagar meia passagem em espécie

Na votação desta quarta-feira (23), a Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP) aprovou o Projeto de Lei (PL) 236/2017, de autoria do vereador Marcos Henriques (PT), que assegura ao estudantes o direito a optar pelo pagamento da meia passagem em espécie (dinheiro), independente da existência de crédito no cartão vinculado à bilhetagem eletrônica. Os parlamentares da Capital paraibana ainda mantiveram seis vetos do Executivo, sendo dois apenas parciais.

 

A matéria foi aprovada em uma votação bastante acirrada, com oito votos a favor e seis contra. Os parlamentares que votaram a favor da proposta destacaram que a matéria vai garantir aos estudantes sua educação contínua, mesmo não tendo crédito em seus cartões eletrônicos. Já os vereadores que foram contra a matéria alegaram que será um retrocesso para a cidade, que voltará a permitir que sejam acumulados montantes em espécie nos ônibus, o que pode ampliar o número de assaltos.

 

 

A prerrogativa estabelece que, para ter assegurado o seu direito, o estudante deverá apresentar o comprovante estudantil, sendo esse direito estendido aos alunos pertencentes a qualquer município ou unidade da federação em visita a João Pessoa, desde que seja comprovada a sua condição de estudante. Ainda fica determinado que caberá às empresas concessionárias e permissionárias da exploração dos serviços de transportes públicos de passageiras, atuantes na Capital, adequar o sistema sistema de bilhetagem ao formato de pagamento da meia passagem estudantil em dinheiro.

 

A matéria agora segue para sanção do Executivo Municipal e, se aceita, entrará em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em contrário.

 

Os dois vetos parciais que foram mantidos apenas modificam trechos não essenciais de duas matérias: o PL 761/2018, de autoria da vereadora Sandra Marrocos (PSB), que impede toda pessoa que comprovadamente cometer maus-tratos ou abandono contra animais domésticos de obter a guarda do animal agredido ou abandonado, bem como de outros animais; e o PL 1072/2018, de autoria do vereador Carlão (DC),  que institui nas escolas da rede pública e privada de ensino da Capital atividades que tenham por objetivo transmitir aos alunos informações sobre as consequências do uso de drogas lícitas e ilícitas. As matérias agora seguem para promulgação pela Câmara, através da publicação no Semanário Oficial da Casa.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.