No Dia Mundial dos Animais, veterinários da PMJP dão dicas de cuidados

Nesta sexta-feira (4), comemora-se o Dia Mundial dos Animais, seres que fazem parte da vida da maioria dos brasileiros, mesmo que indiretamente. Seja criando um cãozinho em casa, ou até mesmo quando se visita um zoológico, muitas pessoas fazem questão de ter um animal por perto. Mas é preciso cuidar deles, para isto, os veterinários do Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses (Cvaz) dão dicas de como tratá-los. Colaborando com a atenção aos bichinhos, a Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) já vacinou mais 68 mil animais contra a raiva.

Os primeiros cuidados a tomar são com relação à alimentação. No caso de animais domésticos, como cães e gatos, eles devem se alimentar de ração, após o desmame. Este alimento já é completo e possui em suas formulações componentes nutricionais que suprem as necessidades dessas espécies. A “comida de panela” causa problemas de pele e muitas vezes pode ser pobre de nutrientes, sendo necessário suplementar com minerais e vitaminas.

Além de uma boa alimentação, a médica veterinária do Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses, Suely Ruth Silva, diz que passeios e brincadeiras são fundamentais para a rotina dos bichinhos. “Deve se propiciar momento de pura diversão. Os passeios e brincadeiras podem trazer inúmeros benefícios para a saúde e bem-estar do seu amigo de quatro patas. O estímulo ajuda o animal a reagir adequadamente e desenvolver habilidades, assim como as brincadeiras são essenciais para que o cão aprenda regras básicas de comportamento, conhecendo seus limites e ajudando a desestressar, liberando energia acumulada ao longo do dia”, disse.

Sobre a castração, a médica veterinária destacou os benefícios para os animais e estimulou, principalmente, aos bichos em situação de rua. “Castrar o seu animal é um ato de responsabilidade, pois você está não apenas prevenindo possíveis doenças zoonóticas (calazar, esporotricose, verminoses), como também contribuindo para reduzir a quantidade de ninhadas indesejadas, evitando que esses filhotes sejam abandonados ou fiquem em situação de maus tratos”, pontuou Suely Ruth Silva.

Benefícios da castração – Nas fêmeas, o procedimento diminui o risco de câncer de mama e infecções uterinas graves, como a piometra. Como as fêmeas não entram mais no cio, não ocorre sangramento. Já nos machos, a castração reduz a frustração sexual e a necessidade de sair em busca de acasalamento. Ao mesmo tempo, isso diminui o risco de fugas, atropelamentos e brigas com outros machos, reduz também problemas de próstata e evita-se o câncer de testículo, que pode ser fatal.

Para a médica veterinária Valéria Rocha Cavalcanti, também do Cvaz, o animal de estimação deve ser vacinado para ter uma vida longa e saudável, já que algumas doenças se encontram disseminadas em nosso País e são de fácil transmissão para o ser humano, as chamadas zoonoses. “Dentre as zoonoses podemos destacar a raiva e a leptospirose. Um animal que não está devidamente imunizado pode adquirir uma zoonose e transmiti-la para a família de seu proprietário”, alerta.

Local para vacinação – A vacina antirrábica para cães e gatos é realizada gratuitamente no Centro de Vigilância Ambiental e Zoonoses do Município de João Pessoa, de segunda à sexta-feira, das 8h às 17h. Os animais devem ser vacinados a partir dos três meses de vida, sendo realizado reforço anualmente. No dia 24 de setembro, a PMJP imunizou mais de 68.000 cães e gatos contra a raiva. Para este ano, a meta era imunizar 65.000 animais apenas no dia D.

“Nestes últimos sete anos, houve muitos avanços, dentre eles, a gente destaca a vacinação contra raiva, que traz uma proteção ao animal e aos humanos. Até 2012, vacinava-se aqui, em torno de 40 mil animais, atualmente, em um único dia, são mais de 68 mil. Outro avanço é em relação à castração, superando os 40 mil. Por mês, são em torno de 300 animais. A população confia no nosso trabalho, na nossa política de castração. Além disso, o número de animais na rua diminuiu”, disse Nilton Guedes, gerente do Cvaz.

Controle de parasitas – Outra dica importante é o controle de parasitas. A infestação por pulgas e carrapatos são problemas muito comuns em cães e gatos, principalmente nas estações mais quentes do ano. Fazer a proteção preventiva dos cães e gatos é a melhor forma de evitar infestações e doenças. Se o animal já estiver com o parasita, será necessário realizar medidas integradas de controle, incluindo o tratamento do ambiente. Atualmente, existem no mercado medicamentos que protegem seu animal por até um mês.

O acompanhamento deve ser feito uma vez ao ano ou sempre que se fizer necessário. A automedicação pode trazer sérios riscos à saúde de seu animal.

Parque da Bica – Os cuidados com os animais não se resumem apenas aos domésticos, a PMJP também tem dado toda a atenção aos que vivem no Parque da Bica. O local foi reaberto recentemente, após uma reforma, e conta com mais conforto e qualidade aos animais acolhidos, maior parte originária de cativeiros em péssimas condições de sobrevivência. Eles encontram na Bica uma equipe multiprofissional que trata e reabilita suas funções para que possam voltar a viver com mais conforto.

O Recinto dos Jacarés, hoje considerado um dos melhores do Brasil, foi requalificado. Ele passou por reformas de restauração, aumentando sua potencialidade. Também foi criada uma Ilha Solarium, um espaço onde os répteis equilibram a temperatura corporal. Além disto, foi melhorado o sistema de apreciação do espaço, garantindo uma vista mais respirável e com melhores condições de acessibilidade aos visitantes. O Espaço Falconiforme também passou por melhorias estruturais, dando mais espaço e conforto às aves de rapina.

Na alimentação, do ponto de vista sanitário, um processo é rigoroso, tanto na escolha desses alimentos, quanto na higienização das bandejas. “A higienização é feita diariamente, as bandejas ficam de molho no cloro. Todos os alimentos que são fornecidos aos animais do zoológico vêm através de licitação, então é alimento de qualidade. A gente segue um rigoroso processo de preparo dessas bandejas”, destacou o médico veterinário da Bica, Thiago Nery.

Ele informou também que é utilizado enriquecimento ambiental, que são práticas para tentar estimular o animal a ter seus comportamentos naturais, como caça, procura, curiosidade ou comportamento de brincadeira. “Dependendo da espécie, cada um recebe um tipo de enriquecimento ambiental diferente e, associado a isso, a gente faz a parte de vermifugação, desparasitação desses animais”, disse o médico veterinário.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.