Em João Pessoa: MPF participa de Seminário de Apoio a Comunidades Tradicionais

O Ministério Público Federal (MPF) em João Pessoa participará do evento ‘Entre Redes: 1º Seminário de Apoio a Comunidades Tradicionais’, organizado pela Rede de Apoio à Comunidade Tradicional e Ribeirinha do Porto do Capim. O seminário começa nesta quinta-feira (29) e vai até o sábado, 31 de agosto de 2019, no território do Porto do Capim, localizado no Centro Histórico da capital e terá a participação de Comissão Parlamentar Federal.

A presença do MPF no evento ocorrerá na sexta-feira (30), a partir das 13h, com a participação do procurador da República José Godoy Bezerra de Souza na audiência pública sobre o tema ‘Iminência de Despejo no Território do Porto do Capim’. A audiência será realizada no Instituto de Arquitetos do Brasil na Paraíba (IAB), no Centro Histórico de João Pessoa, e também terá a participação de representantes de Comissão Parlamentar Federal, da Assembleia Legislativa da Paraíba, da Câmara Municipal de João Pessoa e da Rede Jurídica de Apoio ao Porto do Capim, composta por integrantes do MPF, Defensoria Pública da União (DPU), Defensoria Pública Estadual (DPE), Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Paraíba, (OAB-PB), Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Universidade de São Paulo (USP).

O MPF ainda terá participação no seminário com a presença da analista jurídica do órgão Carla Daniela Leite Negócio. Ela mediará a mesa ‘Território e Organização Política das Comunidades’, no sábado (31), na Vila Nassau. Mestre em Direitos Humanos, Cidadania e Políticas Públicas pela UFPB, Carla Negócio é assessora-chefe da 6ª Câmara de Coordenação e Revisão, órgão do MPF que trata especificamente dos temas relacionados aos grupos que têm em comum um modo de vida tradicional como, indígenas, quilombolas, comunidades extrativistas, comunidades ribeirinhas e ciganos.

Programação – A programação do evento está dividida em três eixos: Eixo 1 – Pare, Olhe, Escute; Eixo 2 – Direito achado no Porto, e Eixo 3 – Nossa voz é resistência. No primeiro dia do seminário (29/8), haverá expedição com os parlamentares federais, estaduais e municipais pelo território do Porto do Capim, exibição de filme e noite cultural.

Mapa das famílias – No último dia do evento, sábado (31), às 17h, será apresentado à comunidade o Mapa da Famílias do Porto do Capim, resultado de estudo coordenado pelo professor de Antropologia da UFPB Fábio Mura. O mapa mostra a localização dos vários núcleos familiares da comunidade tradicional ribeirinha que ao longo das últimas sete décadas se consolidou e se enraizou naquele território. Doutor e mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da UFRJ, desde 1991, Fabio Mura desenvolve pesquisas entre os Guarani-Kaiowa e Guarani-Ñandéva de Mato Grosso do Sul.

Tradicionalidade – O MPF atua no caso desde 2015, por meio do inquérito civil nº 1.24.000.001117/2015-16, instaurado para acompanhar a pretensão de intervenção da PMJP na área onde a comunidade tradicional ribeirinha Porto do Capim está instalada. O inquérito teve início a partir do “Relatório de Violações aos Direitos Humanos no Processo de Implantação do PAC – Cidades Históricas e PAC – Sanhauá na Comunidade do Porto do Capim”, elaborado em 2014, pelo Centro de Referência em Direitos Humanos do Departamento de Ciências Jurídicas, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.