Procon-JP registra quase 6 mil mil atendimentos; Cagepa, telefonia e Energisa lideram lista

Os serviços de telefonia, água, luz e bancos são os campeões de reclamação no SAC da Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor no primeiro semestre de 2018. Das 5.841 queixas registradas no Procon-JP, a empresa de telefonia OI lidera o ranking com 594 reclamações (11,33% do total) nos seis primeiros meses deste ano.

As nove outras empresas mais demandadas no primeiro semestre de 2018 foram a Companhia de Água e Esgotos da Paraíba – Cagepa (304), a Claro S.A (261), a Energisa da Paraíba (207), a Tim Nordeste (170), a Caixa Econômica Federal (152), o Bradesco Card (140), o Banco do Brasil (118), a Telefônica Brasil – Vivo (101) e o Magazine Luiza (100) que, juntas, são responsáveis por 30% do total de atendimentos registrado no SAC do Procon-JP.

Quando se trata de telefonia, as reclamações mais frequentes são quanto à má prestação do serviço, a cobrança indevida nas faturas, além de multas altas quando da desistência ou cancelamento do plano ou da linha. É o caso do consumidor Idervan Carlos Ribeiro, que entrou com um processo administrativo no Procon-JP contra a OI na manhã do dia 5 de julho de 2018.

O motorista de 49 anos tem várias queixas contra a operadora de telefonia. “Fiz um plano há menos de dois meses e na primeira fatura veio tudo certinho, com a cobrança proporcional aos dias utilizados, mas, na segunda fatura, o valor veio muito acima do que está escrito no contrato e quando reclamei na loja da OI, o problema não foi resolvido”, disse Idervan.

Esperança – Ele acrescenta que, no contato telefônico com a empresa, foi dito que o plano não existe, “mesmo eu estando com o contrato em mãos. Me ofereceram outros planos, mas eu recusei e quando pedi o cancelamento, fui ameaçado com uma multa de mais de quatrocentos reais. Ainda assim insisti no cancelamento e hoje estou sem poder fazer ligação. Vim ao Procon-JP na esperança de que o problema seja resolvido”, desabafa Idervan.

Vai ser – Segundo o secretário Helton Renê, Idervan Ribeiro vai ter seu problema resolvido. “Ele está documentado, com o contrato em mãos, inclusive com o valor real do plano e não o cobrado na fatura. Como o consumidor tem direito à liberdade de escolha do plano, a empresa não pode obrigá-lo a aceitar nenhum outro se não tem condições de honrar o serviço oferecido no contrato. E também não pode punir o consumidor por isso, cobrando uma multa por essa recusa. Com toda certeza, o Procon-JP resolverá essa questão para Idervan Ribeiro”, afirmou.

Bancos – De acordo com secretário, os problemas mais relatados pelos consumidores pessoenses no que se refere aos bancos, diz respeito às cobranças abusivas de juros e multas por serviços que, muitas vezes, não são requeridos pelos clientes, além da reclamação contra o tempo gasto nas filas. “O que vemos são problemas comuns a todas as empresas fornecedoras de bens e serviços que é o desrespeito à legislação que rege a relação consumerista. Os consumidores devem ficar atentos e ir atrás dos seus direitos”.

Água e luz – Quanto às queixas contra as prestadoras de serviços de energia elétrica e água e esgoto, as principais são de erros nas leituras e a consequente cobrança indevida do serviço, além de pedidos de intermediação quanto a parcelamentos de contas atrasadas, haja vista que as empresas costumam cobrar um valor de entrada considerado alto pelos consumidores nos acordos propostos.

Ações educativas – O titular do Procon-JP salienta que a Secretaria vai continuar com as campanhas educativas tanto para os consumidores quanto para os fornecedores de bens e serviços. “Os procons são também responsáveis pela política de educação e prevenção no que se refere ao consumo, que passa pela orientação e a informação dos deveres e direitos dos lados da relação. Vamos investir no trabalho preventivo para melhorar essa relação, que ainda é muito difícil e, por isso, é importante fazer cumprir a legislação, mas também, ampliar a prevenção através das campanhas informativas sobre a legislação que protege o consumidor”, disse Helton Renê.

Números do SAC:
5.841 atendimentos
2.147 é a soma das 10 empresas mais reclamadas

Serviço de atendimento do Procon-JP:
SAC – segunda-feira a sexta-feira: 8h às 14h na sede situada na Avenida D. Pedro I, nº 473, Tambiá;
Telefones: segunda-feira a sexta-feira das 8h às 14h: 0800-083-2015, 2314-3040, 3214-3042, 3214-3046;
MP-Procon – segunda a sexta-feira: 8h às 17h na sede situada no Parque da Lagoa Solon de Lucena, nº 300, Centro.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.