Os males das redes sociais – Por Demétrius Faustino

As redes sociais vieram para ficar é bem verdade, e isso é sabido por todos. Entretanto, é necessário considerar que estas estão transformando muitas pessoas, ou indicando outras identidades nelas, a exemplo do quesito nudez, pois ficar nu nessas conexões hoje em dia, é uma habitualidade, até mesmo por parte daqueles que possuem barriguinha, de forma que ao olhar para baixo só vê a cicatriz do cordão umbilical.

Muitos homens se vangloriam postando fotos sem camisa, alguns mostrando as marombas na academia, e com o semblante de quem se acha a última coca-cola no deserto ou a suprema beleza do universo, botando fé inclusive, que seus adeptos tem interesse em admirá-lo todos os dias, no que estão quadradamente enganados. Muito pelo contrário, no fundo isso causa é desagrado entre muitos, pois tecem de logo ao ver tais fotos, palavras ríspidas, sem esquecer que esse vício evidencia que a pessoa está matando tempo no trabalho ou na escola.

Sou um admirador das redes sociais sim, inclusive faço muitas postagens, e da internet como um todo, mas sempre com o cuidado da minha personalidade não ficar comprometida por esse vício ameaçador da liberdade, pois psicólogos já estão afirmando e confirmando o recebimento em seus consultórios, queixas e relatos de situações de invasão de privacidade, exposição abusiva e até  bulling, advindos das comunicações nas redes sociais, produzindo até mesmo sofrimento familiar. A consequência disso, dizem os psicólogos, afeta o rendimento escolar, a autoestima e o equilíbrio emocional, produzindo situações de desespero e desejo de fuga.

Em nossa legislação, por exemplo, a idade que delimita o uso das redes sociais é de treze anos, mas a maioria dos pais não segue essa norma e isso é lastimável. O acesso precoce das crianças a esses meios de exposição, além dos riscos, incentiva um narcisismo prematuro.

A partir de agora estou excluindo o que não for do bem; o que for do uso desordenado de compartilhamento de informações indevidas e falsas (fake news); de quem tenta denegrir pessoas e instituições em quem projetam suas sombras, pois afinal tudo que é usado em excesso e de forma irresponsável faz mal a qualquer pessoa.

Prá não dizer que não falei das coisas boas das redes sociais, cito a comunicação instantânea, onde é possível compartilhar conhecimentos, noticias e acontecimentos que ocorrem no outro lado do mundo, sem custo algum e com muito dinamismo, e solucionar questões relacionadas a trabalho, família, etc.

Enfim, em razão dos assuntos acima elencados, percebe-se que tanto os riscos quanto os benefícios das redes sociais são altamente suscetíveis de controle, bastando saber usar, tirar o máximo de proveito possível dos benefícios, e ter muito cuidado com os perigos e ameaças.

O fato é que, bom mesmo é usar as redes sociais para o bem, pois pesquisas comprovam que elas causam uma sensação de válvula de escape, uma fuga para os momentos de estresse.

você pode gostar também Mais do autor