Procon ‘investe’ em campanhas educativas para atenuar conflitos na relação consumerista

A prevenção dos conflitos na relação consumerista através de campanhas educativas dirigidas tanto para o consumidor quanto para o fornecedor de bens e serviços é um dos diferenciais do trabalho realizado pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de João Pessoa neste ano. Trinta e quatro temas foram massivamente divulgados pelo Procon-JP, tomando como base a legislação que assegura os direitos do consumidor.

As campanhas, além de abordarem as leis que regulam a relação de consumo, promovem alertas para promoções sazonais (Dia das Mães, dos Namorados, São João, dos Pais, das Crianças, etc), ‘queimas extraordinários’ no comércio da Capital, o uso da primeira parcela do décimo-terceiro salário, compra segura, dicas ao consumidor durante a greve dos correios, matrículas e lista de material escolar da rede privada. Só em 2017, o Procon-JP já registrou 8.362 atendimentos por meio do seu Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

De acordo com o secretário Helton Renê, foram massificadas leis importantes como a do Troco, da Fila de bancos, de serviços obrigatórios em restaurantes, de trocas de mercadorias, de segurança alimentar, de nutrientes e ingredientes dos alimentos, planos de saúde, e da linguagem Braille para cardápios e faturas. Foram trabalhados ainda pela equipe do Procon- JP a nova legislação que regula compras à vista e no cartão de crédito e as resoluções da Anatel para telefonia fixa, TV fechada e internet, além de campanhas educativas, operação de fiscalização em estacionamentos privados e portabilidade bancária.

“Investimos em campanhas educativas para os dois lados da relação consumerista numa tentativa de minimizar os conflitos ainda bem evidentes entre as duas partes. Além de acolher as insatisfações do consumidor, os procons têm a obrigação de, pelo menos, tentar promover a harmonia nessa relação ainda tão conturbada. Estamos fazendo a nossa parte investindo em campanhas educativas/preventivas através da divulgação das leis, dos alertas, das dicas e das orientações que alcançam tanto o consumidor quanto ao fornecedor”, afirmou Helton Renê.

O secretário avalia que “dá para perceber que as campanhas educativas são necessárias porque a relação de conflito ainda é muito evidente, como evidencia os números do SAC, que já são quase nove mil este ano. Queremos prevenir o problema antes que ele se instale e a divulgação das leis de proteção ao consumidor é uma das formas encontradas para melhorar essa relação. Sabemos que o problema ainda está longe da solução, mas vamos continuar tentando”, afirmou Helton Renê.

Pesquisas – Outro setor do Procon-JP que, pode-se dizer, trabalha a prevenção junto ao consumidor é o de pesquisa, que em 2017 já realizou 69 levantamentos de preços. Além de coletar os preços e indicar onde adquirir o produto mais barato, é realizado levantamentos comparativos de alguns produtos como combustível e gás de cozinha para manter uma base de cálculo quando sofrem reajustes e evitar possíveis abusividades. Tudo para proteger o consumidor.

Este ano foram realizadas pesquisas para preços de combustíveis, carne, hortifrutigranjeiros, artigos para carnaval, material escolar, pão francês, pescado, restaurantes, flores, milho, comidas típicas das festas juninas, fogos de artifícios, gás de cozinha, água mineral, perfume, estacionamento, leite, brinquedos, medicamento genérico, academias de ginástica e material de construção.

Procon-JP em números:

Campanhas educativas: 34
Pesquisas: 69

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.