TCE-PB mantém suspensa criação da Guarda Militar

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PB) referendou, por unanimidade, medida cautelar emitida pelo conselheiro Marcos Antônio da Costa e manteve suspensa, até julgamento do mérito, a Medida Provisória que cria uma Guarda Militar Temporária na Paraíba. A decisão ocorreu durante sessão ordinária realizada nesta quarta-feira (23) e foi acompanhada pelo procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro, que fez sustentação oral no processo.
O voto do relator foi acompanhado pelos conselheiros Nominando Diniz, Fernando Catão e Fábio Nogueira.
Em seu pronunciamento, a procuradora-geral do Ministério Público de Contas, Sheyla Barreto, elencou inconsistências na Medida Provisória e acompanhou integralmente o entendimento da auditoria do Tribunal. Ela sugeriu que o Estado reveja a política de cessão de policiais a outras áreas.
Por sua vez, o procurador-geral do Estado, Gilberto Carneiro, argumentou que a mesma lei está sendo aplicada nos estados de Goiás e São Paulo, corrigidas falhas iniciais apontadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “A Paraíba não inventou a roda em relação à essa matéria”, pontuou.
A intenção do atual governo, segundo ele, foi editar uma MP para corrigir uma parte da legislação que estaria incompatível com o sistema constitucional vigente. Carneiro ressalta que a Guarda será empregada apenas em presídios e unidades de ressocialização. Ele reforçou pedido para que a Corte não referendasse a medida cautelar.
Segundo ele, não há previsão para o TCE faça juízo de valor sobre atos normativos do Estado. “Não pode atuar como Corte Constitucional porque estaria usurpando prerrogativa do próprio parlamento”, frisou Carneiro.

você pode gostar também Mais do autor