Durante debate, Bruno apresenta os verdadeiros números da terceirização na saúde da Paraíba

Em debate realizado nessa quinta feira na rádio Arapuan, o Deputado Bruno Cunha Lima (PSDB), líder da oposição, apresentou documentos do Tribunal de Contas da Paraíba que comprovam que a gestão pactuada nos hospitais públicos sai muito mais onerosa do que se eles fossem administrados diretamente pelo Estado. Na ocasião, o deputado entregou ao secretario Waldson Sousa uma convocação para explicar o funcionamento dos convênios de gestão pactuada perante os parlamentares na Assembleia Legislativa.

 

Os documentos foram apresentados durante debate com o secretario de Planejamento, Orçamento e Gestão do Estado, Waldson Souza, que defende a gestão pactuada não apenas na saúde, mas também na área da educação. Bruno Cunha Lima ressaltou sua preocupação de que a desastrosa gestão implementada na saúde seja reproduzida na Educação.

 

“O secretario Waldson, que conduziu o processo de terceirização em várias unidades de saúde do Estado, insistia na tese de que a gestão pactuada era a melhor alternativa administrativa para a saúde. Estamos justamente mostrando que o problema não é a terceirização, mas a forma como vem sendo conduzida pelo governo do Estado. Está tão equivocada que o próprio Waldson foi multado em inúmeros processos perante o TCE-PB ”, ressaltou o deputado Bruno.

 

O parlamentar destacou ainda a imensa disparidade nos investimentos realizados nos hospitais administrados diretamente pelo estado em relação ao volume muito maior de recursos consumidos pelos hospitais terceirizados. Bruno citou como exemplo a Unidade de Pronto Atendimento – UPA de Guarabira, que no ano de 2015, contando com apenas oito leitos, recebeu R$ 7, 149 milhões,  enquanto o Hospital Regional de Guarabira, com 74 leitos, recebeu recursos da ordem de R$ 3,837 milhões.

 

“Outro ponto que gritante é o procedimento de quarteirização que vem ocorrendo nas unidades com gestão pactuada, com aquisição de serviços sem o devido processo de licitação, contrariando os princípios legais. Pois tudo que é custeado com dinheiro público deve ser informado ao cidadão com lisura e transparência”,  criticou o deputado Bruno.

 

A Assembleia Legislativa é a titular do controle externo e como órgão da administração pública,  tem função, competência e atribuição a serem cumpridas.  É papel dos deputados garantir o cumprimento.  É justamente por essa razão que o deputado Bruno convocou o secretário Waldson Souza para comparecer à Assembleia e justificar a discrepância nos gastos com OS em relação aos hospitais administrados diretamente pelo Estado.

 

O Hospital de Trauma de Campina Grande, por exemplo, com 220 leitos e administração direta do Estado, recebeu em 2015 o valor de R$ 33,943 milhões, em detrimento dos R$ 118,128 milhões repassados ao Hospital de Trauma de João Pessoa, administrado pela Cruz Vermelha.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.