Tribunal de Contas pede cautela em licitação da PMJP alegando irregularidades

O Tribunal de Contas do Estado da Paraíba referendou, nesta quarta-feira (10), decisões cautelares do conselheiro Nominando Diniz e do conselheiro substituto Antonio Gomes Vieira suspendendo procedimentos licitatórios nas prefeituras de João Pessoa, destinado à compra de fardamento escolar, e do Conde, para serviços de transporte e destinação do lixo coletado no município.

As medidas cautelares referendadas à unanimidade pelo Pleno da Corte resultam de exame dos processos 05916/17, sob relatoria do conselheiro Nominando Diniz, e o de nº 01070/17, relatado por Antônio Gomes. São relativos, respectivamente, ao Pregão Eletrônico 09002/17, realizado pela Secretaria de Educação e Cultura do Município de João Pessoa, e à Dispensa de Licitação nº 01/2017, promovida pela prefeitura do Conde.

O conselheiro Nominando Diniz decidiu pela suspensão do pregão de aquisição de fardamento escolar após representação à Corte, feita pelo representante da Spor & Ação, Hercílio Pedro Gomes, que alegou entre outras supostas irregularidades, a exigência de cumprimento de prazo incompatível com a prestação do serviço, a exemplo de apenas cinco dias “para aposição da logomarca da Prefeitura e remessa da peça para um laboratório para emissão dos laudos técnicos”.

Já a medida cautelar adotada pelo conselheiro substituto Antônio Gomes se deu após relatório técnico da Auditoria concluindo não ter existido, no procedimento da prefeitura do Conde, “orçamento detalhado e projeto básico” e nem “fiscalização do contrato no tocante às obrigações trabalhistas e previdenciárias”. E que houve, ainda, “celebração de Termo Aditivo com majoração de alguns valores contratados”.

Ele mandou que além da suspensão de todos os atos relacionados à dispensa 01/2017, a exemplo de contratações, aquisições ou pagamentos, a Prefeitura do Conde adote, por meio do seu Controle Interno, “todas as medidas necessárias para verificar a correta e regular prestação de serviço pela empresa LIMPMAX”, que celebrou contrato de R$ 1,4 milhão com o município em 6 de janeiro de 2017.

O conselheiro, em sua decisão, determinou também que a prefeitura “promova de forma célere o procedimento licitatório para substituir a dispensa em tela”.

A secretária de Educação da capital, Edilma Ferreira da Costa, e a prefeita Márcia Lucena, serão citadas, a partir da publicação das decisões no Diário Oficial Eletrônico do TCE, para apresentação de defesas.

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.