Consumidores vão pagar mais caro até o fim de 2017, diz Aneel

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, afirmou nesta terça-feira (4) que a tendência é que a bandeira tarifária siga vermelha até novembro, o que implica em uma cobrança extra nas contas de luz de pelo menos R$ 3 a cada 100 kWh de energia consumidos.

Na semana passada, a agência anunciou que a bandeira tarifária, que estava amarela em março (cobrança extra de R$ 2 para cada 100 kWh), passaria para vermelha 1 em abril, devido à falta de chuvas que vem comprometendo a recuperação dos reservatórios das hidrelétricas.

Com os reservatórios mais baixos – e a proximidade do período seco -, aumenta a necessidade de uso das usinas termelétricas, que geram energia mais cara porque usam combustível para funcionar.

A taxa da bandeira tarifária serve para cobrir justamente o custo adicional devido ao uso maior de termelétricas.

Segundo Rufino, o período de chuvas no Sudeste e Centro-Oeste, onde estão as principais hidrelétricas do país, está se encerrando e já foi necessário acionar térmicas mais caras. Como a tendência agora é de menos chuvas naquelas regiões, a bandeira deve ficar vermelha até a volta do período úmido, em novembro.

“No período chamado seco, mesmo que tenha um regime [de chuva] melhor do que a média, o volume de afluência de água para o reservatório é baixo. Não vai ser nesse período que vai recuperar. O raciocínio é que muito provavelmente no período seco não haverá uma reversão da situação”, afirmou.

Valores das bandeiras tarifárias aprovados pela Aneel para 2017 (Foto: Arte/G1)

Valores das bandeiras tarifárias aprovados pela Aneel para 2017 (Foto: Arte/G1)

No dia 31 de março a Aneel divulgou que a bandeira tarifária de abril seria o patamar 1 da vermelha, o que implica em uma cobrança extra de R$ 3 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

O acionamento das bandeiras depende do custo de geração da energia, ligado ao acionamento das usinas térmicas.

Quando há pouca ou nenhuma necessidade de geração de energia por termelétricas, a bandeira fica verde e não há cobrança extra. Se essa necessidade aumenta um pouco, a bandeira fica amarela, e passam a ser cobrados R$ 2 dos consumidores a cada 100 kWh consumidos.

Quando o custo sobe muito, a bandeira, então, fica na cor vermelha e pode variar entre dois patamares. A cobrança extra nas contas de luz varia de R$ 3 a R$ 3,50 para cada 100 kWh usados.

Rufino destacou que a previsão não é uma sentença e que o cenário pode mudar caso haja alteração significativa de chuvas ou mesmo de consumo de energia.

G1

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.